7 carros TOPs feitos no México que seriam bem-vindos no Brasil

O sistema de cotas do comércio bilateral automotivo entre Brasil e México terminou recentemente. Desde o dia 19, carros e autopeças estão sendo negociados entre os dois países sem pagar tarifa de importação. A mudança ainda levanta muitas incertezas sobre o futuro do acordo e os prós e contras – principalmente para a indústria brasileira. Mas faz a gente lembrar de veículos bacanas que são produzidos no país parceiro. Fato que a produção lá é voltada principalmente para os Estados Unidos, mas não custa sonhar com alguns desses modelos sendo vendidos aqui.

7. Mazda 3

Foto reprodução

Seria legal ver a marca japonesa de volta ao país depois de vazar do Brasil nos anos 2000. O modelo médio é produzido na unidade de Salamanca e acaba de ganhar a quarta geração, apresentada no Salão de Los Angeles, em novembro de 2018.

Tem variações hatch e sedã e desenho instigante que segue a linguagem Kodo, da Mazda. Inspirado no carro conceito Kai, tem capô abaulado, faróis afilados e laterais com desenho limpo, aspectos que conferem um conjunto bastante arrojado e peculiar. No México, é vendido com motor 2.5 aspirado da linha SkyActiv-G, com 184 cv de potência e opções de caixas manual ou automática de seis marchas.

6. Lincoln MKZ

Está bem, o MKZ é uma variação do Fusion. Sim, a gente sabe que a marca não existe e dificilmente existirá no Brasil. Mas seria legal ver esta variação do sedã médio-grande da Ford com o emblema da Lincoln e visual que parece uma salada de estilos. Mantém o porte clássico, só que a grade grandona remete a antigos modelos da Jaguar, misturado a capô com linhas arredondadas e faróis bem horizontalizados.

Foto reprodução

A traseira ostenta spoiler nada discreto e uma linha contínua de luzes de uma ponta a outra da carroceria. Fabricado em Hermosillo, é equipado com motores Ecoboost: um 2.5 de 245 cv e um V6 de 350 cv, além de versão híbrida.

Está bem, o MKZ é uma variação do Fusion. Sim, a gente sabe que a marca não existe e dificilmente existirá no Brasil. Mas seria legal ver esta variação do sedã médio-grande da Ford com o emblema da Lincoln e visual que parece uma salada de estilos. Mantém o porte clássico, só que a grade grandona remete a antigos modelos da Jaguar, misturado a capô com linhas arredondadas e faróis bem horizontalizados.

A traseira ostenta spoiler nada discreto e uma linha contínua de luzes de uma ponta a outra da carroceria. Fabricado em Hermosillo, é equipado com motores Ecoboost: um 2.5 de 245 cv e um V6 de 350 cv, além de versão híbrida.

5 . Hyundai Accent

Foto reprodução

O sedã compacto já esteve entre nós em sua segunda geração, com aquele desenho controverso de sul-coreano dos anos 1990 e início dos 2000. Agora em sua quinta geração e produzido em Monterrey nas configurações hatch e sedã, parece um mini Sonata – cá entre nós, o desenho remete a uma penca de outros Hyundai mundo afora. Aqui no Brasil, canibalizaria o HB20, mas só que o Accent tem mais espaço, com 2,60 m de entre-eixos. O conjunto mecânico é conhecido: motor Gamma 1.6, mesmo do HB, que rende 121 cv lá e trabalha com câmbio manual ou automático de seis marchas.

4. Toyota Tacoma

Foto reprodução

Maior que a Hilux importada da Argentina, a Tacoma é bem ao estilo estadunidense, com porte robusto e meio abrutalhado – só em 2018 foram 224 mil unidades desta picape mexicana vendidas nos EUA, para desespero de Donald Trump. Usa sempre um V6 com injeção direta, potência de 278 cv e torque máximo de 36 kgfm. Com 5,39 m de comprimento, só não impressiona na capacidade de carga: até 682 kg nas versões com tração 4×2 e para até 571 kg, nas 4×4 – até a Fiat Toro leva mais peso. É feita na fábrica da Toyota em Tecate, na região de Baja California.

3. Kia Rio

Foto reprodução

O Kia Rio em sido prometido desde a segunda geração, que deixou de ser produzida em 2011, mas nunca chegou por culpa do câmbio sempre desfavorável. A nova fábrica da marca sul-coreana em Pesquería, no México, abriu nova possibilidade. Com design assinado pelo cultuado alemão Peter Schreyer, o carro foi mostrado no Salão de São Paulo (de novo!) e prometido para 2019 com o mesmo motor do Hyundai HB20: 1.6 Gamma. Façam suas apostas.

2. Chevrolet Blazer

Foto reprodução

Pois é, um Blazer renovado já roda e é produzido em Coahuila desde dezembro de 2018. Adotou design bem mais moderno, que não lembra o estilo “Spin gigantesco” do atual Trailblazer fabricado no Brasil. Tem carroceria esculpida, faróis afilados e grade diferentona com filetes ondulados. O utilitário esportivo grande ganha apenas 1 cm a mais no entre-eixos (2,85 m), mas usa a moderna plataforma C1XX, que serve a diferentes jipões das diversas marcas da GM.

No México e nos EUA se posiciona entre o Equinox e o gigantesco Traverse e é equipado com motor 3.6 V6 de 309 cv aliado a uma caixa automática de nove marchas.

1. GMC Sierra

Foto reprodução

Se é para ter uma picape grandona, que seja diferente. Com estilo quadradão, faróis retilíneos e grade bicuda e generosa, a Sierra impressiona só de olhar e faria a cabeça de agroboys e picapeiros urbanos por aí. O único problema é achar vaga no shopping para seus 5,22 m de comprimento, 2 m de largura e 3 m de entre-eixos. Derivação GMC da Chevrolet Silverado 1500 produzida em Guanajuato, no México, tem capacidade de carga de mais de 800 kg.

O motor é o 5.3 V8 da família EcoTec3, com injeção direta, 355 cv de potência e 53 kgfm de torque. O modelo, a propósito, ganhou nova geração no Salão de Detroit de 2018 e já é produzida nos EUA, com mudanças significativas na frente, mas sem perder a imponência. Na boa, poderiam trazer as duas picaponas que a gente agradece.

Fonte: AutoPapo