Eles fazem quase 20 km com 1 litro de gasolina

10155

O Inmetro finalmente concluiu a atualização de seu sistema de dados para incorporar os modelos de 2017 no Programa Brasileiro de Etiquetagem. Com a chegada dos novos automóveis ao longo do ano, o ranking dos veículos mais econômicos do país passou por mudanças significativas, impulsionadas pela adoção de motores mais eficientes. Esse cenário ainda será impactado com a inclusão dos modelos de 2018, como o Fiat Mobi GSR e Volkswagen Up! 2018. Estamos diante de uma reconfiguração interessante e necessária para refletir as mudanças tecnológicas nos veículos.

A análise dos campeões de economia de 2017 segue critérios semelhantes ao Inmetro-Conpet, utilizando o Consumo Energético como base, medido em MJ/km. Quanto menor o valor, melhor o rendimento do veículo. Além disso, a consideração de veículos híbridos ou movidos a diesel também é parte essencial deste processo. No caso de empate, o critério de desempate prioriza a menor emissão de poluentes, levando em conta hidrocarbonetos não-metano, monóxido de carbono e dióxido de hidrogênio.

É importante salientar que a tabela engloba somente os modelos de 2017, seguindo o padrão do Inmetro, mesmo que alguns desses veículos já tenham passado por atualizações que os tornaram ainda mais econômicos. A distinção entre nosso ranking e a tabela oficial do Inmetro está na inclusão de modelos que foram estranhamente deixados de fora, apesar de terem sido lançados como parte da linha 2017.

O ranking que apresentamos abrange os carros mais econômicos do Brasil, considerando todas as categorias e enfatizando os dados referentes apenas à gasolina. Esta análise busca oferecer uma visão ampla e abrangente dos veículos mais eficientes no mercado, levando em conta suas especificações técnicas e rendimento.

Essa revisão e atualização do ranking são vitais para refletir com precisão as opções mais eficientes disponíveis no mercado automotivo. Com os avanços tecnológicos e as mudanças constantes na indústria, acompanhar e reconhecer os veículos mais econômicos se torna essencial para consumidores e entusiastas da mobilidade.

1 – Toyota Prius – 18,9 km/l (cidade) e 17,km/l (estrada)

Divulgação

O híbrido mais vendido do País, o Toyota Prius justifica seu desempenho nas concessionárias com sua eficiência. Com um consumo de apenas 1,15 MJ/km, é carro mais econômico do Brasil com uma grande margem. Traduzindo para uma medida mais comum, significa que o sedã faz 18,9 km/l na cidade e 17 km/l na estrada, com gasolina. Claro, isso é uma média bem abaixo do real. Nas ruas, é possível passar um pouco dos 30 km/l. Parte de R$ 126.600.

 2 – Ford Fusion Hybrid – 16,8 km/l (cidade) e 15,1 km/l (estrada)

Ford Fusion

A alternativa para quem acha o Prius muito estranho é a versão híbrida do Ford Fusion. Maior por ser um sedã grade (e, consequentemente, mais pesado), perde mais desempenho em comparação com o rival da Toyota. Pode fazer, em média, 16,8 km/l no ciclo urbano e 15,1 km/l no rodoviário, com gasolina. Na mãos de um bom motorista e desligando o ar-condicionado, pode chegar bem perto dos 30 km/l. Custa a partir de R$ 159.500.

3 – Peugeot 208 – 15,1 km/l (cidade) e 16,9 km/l (estrada)

Divulgação

Não quer um híbrido? Tudo bem, tem opção de carro a combustão. O Peugeot 208, com o novo motor 1.2 PureTech, de três cilindros, é o automóvel de melhor rendimento do Brasil movido apenas a combustível líquido. A média do Inmetro é de 10,9 km/l na cidade e 11,7 km/l na estrada, com etanol. Se abastecido com gasolina, sobe para 15,1 km/l e 16,9 km/l, respectivamente. É o melhor resultado entre todos os veículos flex do País. Parte de R$ 48.190

4 – Citroën C3 – 14,8 km/l (cidade) e 16,6 km/l (estrada)

Divulgação

O C3 perde por pouco para o 208. Ambos utilizam o mesmo 1.2 PureTech e o câmbio manual de cinco marchas. Só que o hatchback da Citroën faz 10,6 km/l no ciclo urbano e 11,3 km/l no rodoviário, com etanol, ou 14,8 km/l e 16,6 km/l, com gasolina. Essa diferença entre os dois carros do Grupo PSA é causado pela aerodinâmica. O formato e tamanho do 208 é mais vantajoso, permitindo que seja um pouco mais eficiente do que o C3. Sai a partir de R$ 49.990.

5 – Volvo XC90 T8 Hybrid – 15,3 km/l (cidade) e 15,8 km/l (estrada)

Divulgação/Volvo

A versão híbrida do maior utilitário esportivo da Volvo é bem eficiente. Combinando o motor 2.0 turbo com outro elétrico, consegue marcar 15,3 km/l na cidade e 15,8 km/l na estrada, abastecido apenas com gasolina. Só perde para os demais por ser um carro bem maior e pesado, o que também influencia na sua aerodinâmica. Por outro lado, é o SUV mais econômico do Brasil, oferecendo muito espaço, além de reduzir as paradas para abastecer. Custa salgados R$ 456.950

6 – Lexus CT200h – 15,7 km/l (cidade) e 14,2 km/l (estrada)

Divulgação/Lexus

Um pouco esquecido no Brasil, o Lexus CT200h é um hatchback que usa a mesma mecânica do Prius (no caso, da terceira geração do Toyota). Ficou para trás, já que a Lexus ainda não atualizou o compacto e, por seu formato, perde um pouco na aerodinâmica em relação ao Prius (sedãs tem melhor desempenho do que o hatches). A etiqueta do Inmetro diz que faz 15,7 km/l na cidade e 14,2 km/l na estrada, abastecido apenas com etanol. tem preço sugerido de R$ 132.500.

7 – Volkswagen Up! –13,8 km/l (cidade) e 16,1 km/l (estrada)

Divulgação/Volkswagen

Entre os carros com motor 1.0, não tem quem bata o Volkswagen Up!. Quando equipado com o 1.0 turbo, faz 9,6 km/l na cidade e 11,1 km/l na estrada, quando abastecido com etanol. Se usar gasolina, passa para 13,8 km/l e 16,1 km/l, respectivamente. Como a tabela do Inmetro conta apenas modelos 2017, o Up! 2018 ficou de fora, apesar de ter ficado mais econômico – ganhou pneus verdes para a versão com rodas de 14”, reduzindo seu consumo energético para 1,40 MJ/km. Parte de R$ 37.990.

8 – Fiat Mobi – 11,3 km/l (cidade) e 16,1 km/l (estrada)

Divulgação/Fiat-Chrysler Automóveis

Quando equipado com motor1.0 Firefly, de três cilindros, o Fiat Mobi fica bem mais interessante, principalmente para o bolso. Registra 9,6 km/l na cidade e 13,7 km/l na estrada, com etanol. Com gasolina no tanque, sobe para 11,3 km/l e 16,1 km/l, respectivamente. Assim como o Up!, sua versão mais econômica ficou de fora por ser modelo 2018. Com o câmbio automatizado GSR, alcança uma média de 1,43 MJ/km. Sai a partir de R$ 33.884.

9 – Ford Ka – 13,5 km/l (cidade) e 15,7 km/l (estrada)

Divulgação

Mais um dos carros com motores de três cilindros, o Ford Ka equipado com o 1.0 TiVCT flex consegue ser ligeiramente mais econômico do que sua versão sedã e, curiosamente, na versão SE, apesar de usar o mesmo motor e câmbio manual de cinco marchas que as demais configurações 1.0. É capaz de fazer 9,2 km/l no ciclo urbano e 10,8 km/l no rodoviário quando abastecido com etanol, ou 13,5 km/l e 15,7 km/l com gasolina. Custa a partir de R$ 43.760.

10 – Renault Sandero – 14,2 km/l (cidade) e 14,1 km/l (estrada)

divulgação/Renault

Quase no fim de 2016, a Renault apresentou sua nova linha de motores SCe, com um 1.0 de três cilindros e um 1.6. Quando colocado sob o capô do Sandero, ajuda o hatch a ser o décimo carro mais econômico do Brasil. Faz 9,5 km/l/14,2 km/l na cidade, e 9,6 km/l/14,2 km/l na estrada (com etanol/gasolina). É levemente mais econômico do que o sedã Logan e, por emitir menos poulentes, fica acima do Chevrolet Prisma, que também tem um consumo de 1,52 MJ/km. Tem preço sugerido que parte de R$ 44.950.

Com informações do iG Carros

Quer saber mais sobre carros e acompanhar todas as novidades do Universo Automotivo? Então segue a gente no Google News!

Google News