Um gigante a 2.200km/h: Conheça a história do Concorde, o avião que esnobava a velocidade do som

O Concorde foi uma maravilha da engenharia moderna e um ícone de estilo em todo o mundo. Capaz de atravessar o Atlântico em menos de três horas, o Concorde cruzou mais de duas vezes a velocidade do som e atingiu uma altitude de 60.000 pés. Seus passageiros se maravilharam com a curvatura da Terra, enquanto viajavam a 2.220 Km/h e bebiam champanhe na borda do espaço.

Foto reprodução

CONCORDE E BRISTOL

A conexão de Bristol com viagens supersônicas remonta ao final da década de 1950, quando a Bristol Aircraft na Filton começou a trabalhar no projeto de um avião supersônico. Sob o código de projeto catch-all ‘Tipo 198’, várias propostas foram apresentadas, incluindo um projeto de asa M e um projeto de asa delta de seis motores.

A equipe de design de Bristol foi dada a ir adiante para desenvolver um avião supersônico de longo alcance de 110 assentos, conhecido como ‘Tipo 223’. Ao mesmo tempo, a Aerospatiale da França estava desenvolvendo seu similar ‘Super Caravelle’. Para economizar custos, os projetos de desenvolvimento foram combinados e o resultado foi o Concorde anglo-francês.

Foto reprodução

MONTAGEM

Componentes para Concorde foram fabricados em vários locais no Reino Unido e na França, e havia duas linhas de montagem, uma na Filton e outra na Toulouse. O primeiro protótipo britânico fez seu primeiro vôo de Filton em 9 de abril de 1969, 38 dias após o protótipo francês. Ao todo, dez foram construídos em Filton e dez na França.

Foto reprodução

PODER

O Concorde foi equipado com quatro motores Rolls-Royce / SNECMA Olympus 593. Este motor é o descendente direto do Bristol-Siddeley Olympus, o primeiro motor de turbojato de fluxo axial de dois carretéis do mundo, projetado e construído em Patchway. O Olympus 593 foi testado em voo a partir do Filton Airfield instalado na parte inferior de um bombardeiro Vulcan.

Foto reprodução

APOIO, SUPORTE

Testes de voo foram realizados pela RAF Fairford, mas o terceiro britânico Concorde, 202, foi baseado na Filton como uma aeronave de desenvolvimento quando o centro de testes de Fairford fechou. Ela foi fundada em 1980, mas continuou como uma estrutura de teste estática até que foi adquirida pelo Museu Brooklands em 2004.

Foto reprodução

SIMULADOR

Filton foi a casa do simulador de voo Concorde da British Airways, que entrou em serviço em 1975. Este foi montado em seis carneiros hidráulicos para dar o efeito de voo. Originalmente, ele usou uma paisagem e câmera modelo, mas foi atualizado para a mais recente tecnologia de computadores em 1987.

O ÚLTIMO CONCORDE

O vôo final da Concorde foi feito em 26 de novembro de 2003, quando o Concorde 216 voou de Heathrow para seu destino final – Filton. No caminho, fez o último voo supersônico de um avião de passageiros para o futuro previsível. Aqui no Aerospace Bristol é preservado para as gerações futuras, no berço da viagem supersônica.

Foto reprodução

Era caro, mas os cerca de US$ 9 mil pagos por uma passagem transatlântica de ida e volta a bordo do avião supersônico Concorde valiam a pena para quem não queria perder tempo e tinha dinheiro no bolso. No dia 25 de julho de 2000, 109 pessoas – entre passageiros e tripulantes – embarcaram no símbolo do glamour do jet-set internacional no aeroporto Roissy-Charles de Gaulle, em Paris, para uma viagem de apenas três horas e meia até Nova York, nos Estados Unidos. Em um avião “normal”, o tempo de voo sem escalas é de aproximadamente 8 horas.

Além de cruzar o Atlântico em menos da metade do tempo, os passageiros ainda iriam desembarcar em Nova York mais cedo do que haviam deixado Paris, devido à diferença de fuso. Voando a 18 km acima da Terra e com uma velocidade máxima de 2.173 km/h, o Concorde parecia estar se consolidando como o futuro da aviação.

No entanto, o que parecia ser mais uma vitória da tecnologia e do conhecimento humano começou a fracassar em julho de 2000. Já durante a decolagem, um dos motores do Concorde – até então considerado um dos aviões mais seguros do mundo – pegou fogo. Sem pista o suficiente para abortar o procedimento, os pilotos decidiram levantar voo, mesmo com a asa esquerda em chamas. Sem força, o avião cruzou uma estrada em baixa altura e começou a pender para o lado esquerdo, pois a asa estava derretendo.

O objetivo dos pilotos era pousar no aeroporto mais próximo, o Le Bourget. Faltavam apenas 3,5 km para chegar à pista. No entanto, não foi possível manter o controle do avião, que acabou se espatifando em cima de um hotel da localidade francesa de Gonesse, depois de apenas 120 segundos de voo. As caixas-pretas da aeronave ficaram completamente destruídas. Cem passageiros – a maioria deles alemães -, nove tripulantes e quatro pessoas que estavam em terra morreram.

Após dezoito meses de investigação, o Escritório de Investigação e Análise (BEA) concluiu que o acidente ocorreu porque o avião passou por cima de uma lâmina metálica perdida minutos antes por um DC-10. A peça causou o estouro de um dos pneus, e os seus restos perfuraram um dos depósitos do Concorde, que pegou fogo. A Continental Airlines, responsável pelo DC-10, afirma que o fogo começou antes do Concorde passar por cima da peça metálica. Para a empresa, a investigação foi incompleta e o Concorde tinha uma falha.

Em abril de 2003, as companhias British Airways e Air France encerraram a exploração comercial do Concorde alegando aumento dos custos de manutenção e do insuficiente número de passageiros em seus voos, porém a verdade é que após o acidente o gigante que alcançava velocidade impressionante deixou de ser visto com os mesmos olhos.