Bomba ou injustiçado? Afinal, Fiat Marea explode ou não?

1350

O Fiat Marea foi considerado um dos maiores fracassos da montadora italiana no segmento dos modelos médios. A primeira tentativa de sedan com este porte no Brasil, o Tempra não chegou a ser líder de vendas, mas conquistou seu espaço. Seu sucessor chegou em 1996 na Europa e em 1998 já era vendido por aqui.

O Marea tinha um estilo bem “Eu sou o Marea” – tanto que as formas venciam bastante sobre a função. O farol, lindérrimo para alguns, iluminava pouco. O painel tinha um vistoso rádio, fazendo a saída de ar ficar baixa (fazendo tomar ar frio ou quente nas mãos).

Foto reprodução

No começo, havia o motor 2.0 20v de 142 cavalos. O presente de Natal de 1998 foi o Marea SX, terrivelmente pelado (não tinha ar, vidros elétricos ou som, além de ter 15 cavalos abatidos; ao menos ficaram as calotas).

Depois foi lançado o Marea dos Marea, o Turbo – com motor de 182 cavalos (bastante amansado em relação ao propulsor do Fiat Coupé). E em 2000 chegou a motorização 2.4 20v, de 160 cv, uma verdadeira usina perante outros nacionais da época. Todas estas novidades eram suficientes ao Marea assumir apenas a segundona entre os sedans médios mais vendidos (praticamente por W.O., já que os concorrentes eram bem menos pretenciosos), e bastante distante do Vectra que, como você sabe, era o fodalhão em vendas da época.

Foto reprodução

Com o tempo, o Marea foi perdendo seu carisma de topo-de-lnha da Fiat. No Brasil, o Stilo ficava até mais caro que o Marea em algumas versões. E na Europa, sedan e perua saiam de linha para dar lugar ao Croma, um sedan-minivan-perua-diabo-a-quatro-sei-lá-mais-o-quê, de acordo com a definição da própria Fiat. A Fama de carro bomba percorreu os quatro cantos do país, comprar um Marea chegou a ser motivo de piada.

O grande pecado do Marea foi a mecânica “avançada” demais, com manutenção cara e que exigia mão de obra especializada. Coisas que definitivamente não deram certo em terras brasilinas, onde o povo tá acostumado com motores boxer a ar, APzões e GM família I e II, que qualquer alfissina boca-de-porco mexe… Quem podia bancar uma manutenção sofisticada dessas queria distância do já manolizado Marea. Assim, ele se tornou um dos maiores micos de mercado já vistos no Brasil.

Foto reprodução

Para tentar reverter esta situação e dar sobrevida ao modelo, já que não havia outro sedan médio no catálogo da Fiat, em 2005 o Marea ganhava outra reestilização, mais leve que a de 2001, com a grade “tiozinho”. Também podia ser equipado com o sistema Connect, ironicamente inaugurado pelo Stilo um ano antes. Veio também o motor 1.6 16v de 106 cv, que era o oposto de todos os outros utilizados antes no Marea: fraco, econômico, confiável e de manutenção simples. Tanto é que alguns até chegaram a cair nas mãos dos taxistas!!

A primeira vítima da linha Marea foi o Turbo, que saiu de linha para não perder (em “vida”) o título de nacional mais potente, superado por Civic Si e Golf 4,5 GTI. Depois, no meio de 2007, as versões com motor 2.4 davam o adeus. Por fim, com o sucesso do Punto no fim de 2007, a Fiat anunciou o fim da linha para o Marea (o modelo era rejeitado pelo mercado: a perua, no ano todo de 2007, vendeu 43 unidades, todas na mira dos “colecionadores”). Quase um ano depois veio o Linea, um carro inferior, e que faz jus à má fama da Fiat no segmento médio.

*Com informações do Bizarrices Automotivas

Quer saber mais sobre carros e acompanhar todas as novidades do Universo Automotivo? Então segue a gente no Google News!

Google News